Vilas Magazine
Lauro de Freitas
+26°C

Máx +29°

Mín +25°

Dom, 02.02.2014

Popó x Whindersson: “Vai ter porrada sim!”

Thiara Reges - Em 06/01/2021

O ex-campeão mundial de boxe Acelino Popó Freitas desafiou o youtuber e pugilista amador Whindersson Nunes para uma luta de verdade. Embalados pela recente luta do ex-campeão mundial peso-pesado Mike Tyson, o evento, que ainda não tem data nem local confirmado, tem como objetivo fomentar o esporte no Brasil.

Essa história começou ao Whindersson Nunes tentar agendar, ainda sem sucesso, uma luta com outro youtuber, o norte-americano Logan Paul, que já está com luta marcada com o multicampeão de boxe Floyd Mayweather. Eventos onde celebridades são desafiadas em lutas de boxe ganhou destaque no final de 2019, quando Jake Paul venceu Nate Robinson, um ex-jogador da NBA, em luta exibição no mesmo evento em que Mike Tyson enfrentou Roy Jones Jr.

“Vi a notícia que Whindersson estava tentando marcar essa luta. Nós já nos conhecíamos, treinamos algumas vezes juntos, ele já fez uma luta de boxe amador, já treina há algum tempo e o esporte ajudou muito ele na recuperação da depressão. Quando vi que o outro youtuber não tinha respondido ao desafio dele, entrei na história, desafiando ele. Não luto há três anos, quem sabe ele não consegue me acertar um jab (risos)”, conta Popó, que recebeu a equipe da Vilas Magazine em sua casa, na véspera do Ano Novo.

Morador de Lauro de Freitas há 21 anos, Popó garantiu que o público vai ver “porrada de verdade. Não uma luta ensaiada, mas uma luta treino onde apesar de não ter nocaute, como em uma luta oficial, será como um treino dentro da academia. Nas lutas oficiais usamos luvas menores, como cuidado em não levar golpes. Já no treino, usamos luvas maiores, então a quantidade de porrada aumenta, e acho que o público vai gostar muito”, contou animado.

Pelas redes sociais e com muito bom-humor, Whindersson respondeu prontamente, aceitando o desafio e usando um filtro de câmera, que distorce o rosto, respondeu: “Quero dizer, Popó, que aceito e já tô com a cara que vou ficar. Porque eu tô sempre na frente, eu sou adiantado, tá ligado?”

Dom e exemplo dentro de casa

Popó começou no esporte muito cedo, aos 14 anos já estava dentro do ringue. Não à toa. Seu pai era também pugilista, assim como três dos seus irmãos. Dentro de casa, Popó viu o irmão Luís Cláudio participar do Panamericano em Havana (1991), e das Olímpiadas de Barcelona (1992). O resultado dessa mistura de inspiração, exemplo e muita força de vontade é uma medalha de Prata nos Jogos Pan-Americanos de Mar del Plata (1995); três títulos de campeão mundial pela Organização Mundial de Boxe e um pela Associação Mundial de Boxe, em duas categorias de peso diferentes (super-penas e peso leve); 29 nocautes consecutivos e o título de Supercampeão Mundial de Boxe, conquistado após dez defesas de cinturão.

Seu nocaute mais rápido? 23 segundos. “Bateu o gongo, girei para um lado, girei para o  outro e pau. Acabou a luta. Era a minha terceira luta como profissional, não dá para esquecer”. Mas nem só de boxe vive Popó. Desde que veio morar em Lauro de Freitas, a princípio no loteamento Miragem, construiu um campo de futebol e o baba existe até hoje.

“Apesar de gostar muito, eu não via o futebol como uma carreira, como uma oportunidade de colocar dinheiro em casa. Vale lembrar que na minha época de criança não tinha o futebol ostentação. Tínhamos grandes ídolos, mas pessoas humildes e discretas, diferente de hoje onde o jogador desfila de Ferrari”.

Apesar de estar aposentado do esporte, Popó faz questão de manter a boa forma, mesmo alegando que seu corpo já não responde como antigamente. “Sempre tive muita consciência do meu corpo, quando tinha luta eu seguia uma tabela com as informações de quantas gramas precisava perder, em um período de quatro meses de preparação. Já cheguei a eliminar de 17 a 18 kg para uma luta. Agora, para a luta com o Whindersson, como eu estou sem lutar e ele é amador, entendo que precisamos de cerca de quatro meses para ambos estarmos em forma”.

Política e esporte

Aos 45 anos e aposentado do esporte desde 2017, Popó possui no currículo um mandato de deputado federal, de 2010 a 2014, e nas eleições 2020 concorreu como vice nas eleições para prefeito de Salvador, pelo PROS, ao lado de Celsinho Cotrim, mas revela não ter mais pretensões de seguir na política.

“Na política existe uma estrutura, que se você não se encaixar, você está fora. Quando você se elege pela primeira vez, para se manter você precisa de dinheiro, e quando você vai atrás de apoio para a reeleição as pessoas sempre querem algo em troca. Além disso, por mais que você apresente boas propostas, existe sempre um outro deputado que vem com outra proposta para ‘derrubar’ você. Entrei para a política pensando que poderia ajudar o esporte, eu que sou do meio sei que é possível, e barato, evitar grandes problemas sociais através do esporte. Mas infelizmente não é isso que dá voto”.

“Penso que o esporte é o maior meio de inclusão social que existe. Você coloca o preto e o branco, o rico e o pobre, todo mundo gosta de esporte. Recebo em minha casa, para jogar futebol, desde os meus vizinhos, pessoas que tem bastante dinheiro, como recebo uma pessoa que vem da Baixa de Quintas, pois no esporte fica claro que somos todos iguais”, acrescenta.

Sobre sua saída das lutas oficiais, Popó destaca que foi uma decisão consciente e no tempo certo. “Tudo na vida tem começo, meio e fim, temos que saber a hora de começar e de parar, não tenho nenhuma lesão por conta do boxe, então acho que parei bem. Foi um desejo meu e foi consciente”.

Publicidade
Vilas Magazine© 2013. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: Webd2 - Desenvolvimento Web